4/08/2010

é óbvio que, quando escrevi "pensei no suicido", deveria estar com os copos. Porque o tema é tratado com suficiente ligeireza para não se tomado a sério. A não ser com os copos e como possibilidade académica, escorreita entre 2 shots. E mesmo assim fraca. O suicídio seria completamente incompatível, não tanto pela natureza laça, mas pela extrema falta de vigor.

2 comentários:

Miguel disse...

nao tinha jeito para nada.era apenas doce e afavel.nao admira que se tivesse tornado moço de estrebaria.nos seus tempos livres dedicava-se as suas quimeras,impossiveis de se realizarem. mas encontrava ai o seu conforto, a falta de melhor.
amores fugazes e platonicos eram os seus brinquedos no recreio de infancia aonde se refugiava, longe dos outros, esses mesmo que ele sentia que o repudiavam. nao era que nao se importasse, mas sentia sobre tudo isso uma fatal certeza: estava so...
via-os a distancia e sonhava um dia partilhar com eles as suas magoas e duvidas.mas sobre isso pensava: era tudo tao irreal!!
tinha dito inumeras vezes para si proprio: vou para longe daqui aonde nao me encontrem!!.mas nos outros lugares quaisquer as pessoas nao sao tao diferentes das do seu reino, logo era inutil...

o Pedro que procura Inês disse...

ora aí está uma contextualização muito mais plausível